Logo

Viagens longas de carro também aumentam o risco de trombose venosa?

Trombose venosa em viagens de carro.

A maioria das pessoas pensam que somente as viagens de avião aumentam o risco de trombose venosa profunda (TVP). E que isso não se aplicaria as viagens de carro.

Certamente a viagem de avião (acima de 4 horas) aumenta muito o risco de TVP. Mais de 300 milhões de pessoas viajam longas distâncias de avião. Baseados em estudos recentes, estima-se que 1 em cada 500 pessoas que fazem viagens de avião de longa distância, irão desenvolver TVP. Esse risco aumenta a cada duas horas a mais de viagem. Por exemplo, uma viagem de 6 horas tem 18% mais risco de TVP que uma viagem de 4 horas. Outros fatores de risco como a obesidade, a trombofilia, a história de ter tido uma TVP previamente, uso de hormônios ou doença maligna podem aumentar ainda mais esse risco de trombose venosa. Apesar desses estudos, não sabemos o motivo real desse aumento. Muitas são as teorias como os pequenos espaços entre as cadeiras, a desidratação, a pouca mobilidade dentro do vôo e a compressão do ar associado a relativa hipóxia dentro da aeronave.

Outros estudos estão verificando também que, mesmo após 2 semanas após a viagem, ainda há um risco maior de TVP nas pessoas que viajaram grandes distâncias.

Quanto as viagens de carro e outros veículos terrestres, se acreditava que o risco fosse pequeno ou nulo. O estudo MEGA identificou um risco 2x maior de trombose venosa em viagens de carro em longas distâncias. Um registro chamado RIETE, publicado em 2010 identificou que motoristas apresentavam risco de TVP maior que os passageiros. Além disso, o risco de TVP no carro, ônibus ou trem foi o mesmo que viajando de avião. Além disso, assim como no avião, esse risco de TVP se mantém ainda na primeira semana após a viagem e se agrava quando associados a outros fatores como obesidade, TVP prévia, hormônios e câncer em atividade.

Recomendações para diminuir o risco de trombose nas viagens de carro e de avião:

  1. Faça pequenas pausas na viagem para caminhar alguns minutos a, pelo menos, cada 2-3 horas.
  2. Evite bebidas alcólicas
  3. Beba bastante água durante as viagens.
  4. Evite medicamentos que induzam ao sono nas viagens.
  5. Mexa seus pés e pernas durante as viagens a cada 15-20 minutos
  6. Use meias elásticas durante o vôo.
  7. O uso de anticoagulantes é recomendado somente em casos selecionados e prescrito por médicos.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Veja esse conteúdo também pelo YOUTUBE – CLIQUE AQUI

Dr Rodrigo Biagioni – CRM 105547

Referências

  1. MacCallum PK, Ashby D, Hennessy EM, et al. Cumulative flying time and risk of venous thromboembolism. Br J Haematol. 2011;155:613-9.
  2. Tsoran I, Saharov G, Brenner B, et al. Prolonged travel and venous thromboembolism findings from the RIETE registry. Thromb Res. 2010;126:287-91.
  3. Cannegieter SC, Doggen CJ, van Houwelingen HC, et al. Travel-related venous thrombosis: results from a large population-based case control study (MEGA study). PLoS Med. 2006;3:e307.

Veja também

Inchaço nas pernas no calor

?Também tem o fato demorarmos uma eternidade (nos feriados principalmente) para chegar à praia de carro ou de ônibus para quem mora em São Paulo…

Leia mais »

Síndrome das pernas inquietas

Introdução Síndrome das pernas inquietas é uma condição relativamente comum e que atinge 5% da população. Trata-se da necessidade incontrolável que a pessoa tem de

Leia mais »