Logo

Hemangioma Infantil

hemangioma em uma criança

Os hemangiomas são tumores benignos nas células da parede dos vasos sanguíneos. São mais comuns na infância e são bastante característicos por possuírem uma fase de crescimento e uma fase de involução. O hemangioma infantil é o tumor mais comum da infância.

hemangioma em uma criança

Existem dois tipos de hemangiomas: infantil e hereditário. O infantil é a forma mais comum. É aquele que geralmente aparece algumas semanas após o nascimento. Já o congênito aparece no nascimento (Figura abaixo).

hemangioma

Características:

  1. Hemangiomas aconteçam em 4% dos bebês.
  2. 34% dos pacientes possuem histórico familiar de hemangioma
  3. Os hemangiomas infantis acontecem 2 a 3 vezes mais em meninas do que em meninos.
  4. Casos mais graves acontecem mais em meninas
  5. Acontecem mais em crianças brancas
  6. Mais frequentemente em crianças com baixo peso e prematuros.
  7. Mães mais velhas
  8. Mais em filhos com mães com múltiplas gestações
  9. Gestantes com algumas condições (ex. placenta prévia, pré-eclâmpsia e outras anomalias placentárias).

História natural do hemangioma

Os hemangiomas geralmente não são aparentes durante o nascimento, eles aparecem após os primeiros dias de vida até alguns meses após o nascimento. Alguns recém-nascidos apresentam um sinal que pode prenunciar o aparecimento do hemangioma que é um emaranhado de vasinhos e com uma área pálida ao redor. Algumas vezes, esse sinal inicial é confundido como um arranhão ou machucado do parto.

hemangioma

Existem duas fases do hemangioma:

1. Fase de crescimento:

Trata-se do período do primeiro ano de vida. O crescimento do hemangioma acontece 80% nos primeiros 3 meses de vida. Após isso, o crescimento desacelera até o nono mês de vida. Após isso, raramente os hemangiomas crescem.

2. Fase de involução:

A fase de involução pode durar até os 10 anos de idade. Mas, em média, dura 4 anos segundo os estudos publicados. Mas em até 1/3 das crianças, algum tipo de sequela pode permanecer nos casos não tratados. Como cicatrizes, pele com atrofia, pele redundante, manchas residuais (rosa mais claro), descoloração da pele e telangiectasias (vasinhos).

Sintomas e sinais dos hemangiomas

A maioria dos hemangiomas são solitários, mas múltiplos podem ocorrer em 20% dos casos. Hemangiomas têm predileção para cabeça e pescoço. Mas pode acontecer em todo o corpo e em órgãos internos. Geralmente são superficiais e de coloração vermelho vivo e com bordas bem delimitadas. Tem a cor de um “morango”.

hemangioma

A maioria dos hemangiomas não são evidentes ao nascer. Aparecem após alguns dias de vida do recém-nascido. Em alguns bebês, uma mancha premonitória pode aparecer na pele – è uma mancha pálida com vasinhos (telangiectasias ao redor).

Alguns hemangiomas podem causar complicações como úlceras (feridas) e sangramentos.

Apesar de benignos, alguns hemangiomas podem causar complicações como úlceras (feridas), sangramentos e incômodos estéticos que podem afetar psicologicamente as crianças.

Quase sempre estão localizados na pele. Em casos raros, podem acometer órgãos abdominais, cérebro e medula, trato respiratório e gastrointestinal.

Diagnóstico – Marcadores específicos dos hemangiomas infantis

Geralmente não se realizam biópsias para os hemangiomas. Somente em casos especiais.

As células do hemangioma infantil expressam o antígeno GLUT-1. Além disso, nas células do endotélio, podem expressar antígenos vasculares associados a placenta (receptores Fc-gamma II, merosina e antígeno Lewis Y).

Sendo assim, em casos mais complexos, podemos solicitar a análise do GLUT-1 para confirmação diagnóstica.

Tratamento

A escolha do tratamento é individualizada e levamos em consideração a forma dele, a localização, o potencial para causar desfiguração facial, grau de crescimento e involução e a presença de complicações.

Inicialmente é importante os pais entenderem do que se trata para que fiquem tranquilos e auxiliem no tratamento. Então uma boa conversa com um especialista que tenha uma adequada vivência no tratamento dessa condição é essencial. É importante que a criança seja acompanhada principalmente durante toda a fase de crescimento do hemangioma a fim de se detectar complicações e podermos antever o tratamento. É o que chamamos de não intervenção ativa – com seguimento dos hemangiomas com fotos e medidas objetivas de suas áreas.

Lesões que potencialmente necessitarão tratamento:

1. Hemagiomas grandes (extensos – mais que 5cm com crescimento rápido) ou combinados (com componente superficial na pele e profundo)

2. Hemangiomas na face (especialmente os extensos e segmentados). Mais atenção ainda aos de lábio, orelha, nariz e próximo aos olhos.

3. Hemagiomas nodulares (altos) pelo potencial de formar cicatrizes.

Os tratamentos disponíveis são: 

1. Terapias locais com pomadas de beta-bloqueadores (timolol), corticóides (clobetasol) e imiquimod.

2. Uso de betabloqueadores via oral como o propranolol e atenolol.

3. Exceções: Uso de corticóides sistêmicos, interferon-alfa e vincristina.

4. LASER: dye laser

5. Cirurgia plástica

As crianças devem ser idealmente encaminhadas para avaliação com especialista com 4 semanas de idade. As medicações, quando indicadas, funcionam melhor quando iniciadas entre 5,5 e 7,5 semanas de idade. E sempre antes dos 5 meses de idade, que seria quando a fase proliferativa se encerra.

Dr Rodrigo Biagioni e equipe vascularline – CRM 105547

Dicas de sites sobre hemangioma:

  1. Drauzio Varela
  2. Vascularline

Referências sobre hemangioma:

  1. Enjolras O, Mulliken JB. Vascular tumors and vascular malformations (new issues). Adv Dermatol 1997; 13:375.
  2. Léauté-Labrèze C, Harper JI, Hoeger PH. Infantile haemangioma. Lancet 2017; 390:85.
  3. Bruckner AL, Frieden IJ. Hemangiomas of infancy. J Am Acad Dermatol 2003; 48:477.
  4. Mulliken JB, Enjolras O. Congenital hemangiomas and infantile hemangioma: missing links. J Am Acad Dermatol 2004; 50:875.
  5. Haggstrom AN, Drolet BA, Baselga E, et al. Prospective study of infantile hemangiomas: clinical characteristics predicting complications and treatment. Pediatrics 2006; 118:882.
  6. Kilcline C, Frieden IJ. Infantile hemangiomas: how common are they? A systematic review of the medical literature. Pediatr Dermatol 2008; 25:168.
  7. Jacobs AH, Walton RG. The incidence of birthmarks in the neonate. Pediatrics 1976; 58:218.
  8. Alper JC, Holmes LB. The incidence and significance of birthmarks in a cohort of 4,641 newborns. Pediatr Dermatol 1983; 1:58.
  9. Munden A, Butschek R, Tom WL, et al. Prospective study of infantile haemangiomas: incidence, clinical characteristics and association with placental anomalies. Br J Dermatol 2014; 170:907.
  10. PRATT AG. Birthmarks in infants. AMA Arch Derm Syphilol 1953; 67:302.
  11. JACOBS AH. Strawberry hemangiomas; the natural history of the untreated lesion. Calif Med 1957; 86:8.
  12. Blei F, Walter J, Orlow SJ, Marchuk DA. Familial segregation of hemangiomas and vascular malformations as an autosomal dominant trait. Arch Dermatol 1998; 134:718.
  13. Castrén E, Salminen P, Vikkula M, et al. Inheritance Patterns of Infantile Hemangioma. Pediatrics 2016; 138.
  14. Chiller KG, Passaro D, Frieden IJ. Hemangiomas of infancy: clinical characteristics, morphologic subtypes, and their relationship to race, ethnicity, and sex. Arch Dermatol 2002; 138:1567.
  15. Drolet BA, Esterly NB, Frieden IJ. Hemangiomas in children. N Engl J Med 1999; 341:173.
  16. Hemangioma Investigator Group, Haggstrom AN, Drolet BA, et al. Prospective study of infantile hemangiomas: demographic, prenatal, and perinatal characteristics. J Pediatr 2007; 150:291.
  17. Enjolras O, Gelbert F. Superficial hemangiomas: associations and management. Pediatr Dermatol 1997; 14:173.
  18. Finn MC, Glowacki J, Mulliken JB. Congenital vascular lesions: clinical application of a new classification. J Pediatr Surg 1983; 18:894.

Veja também

dor pernas claudicação - doença arterial periférica

Claudicação arterial

O que é a claudicação arterial de membros? A claudicação é a dor que acontece num membro, especialmente ao caminhar e geralmente após um certo

Leia mais »